segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Entrevista com a fotografa Aryanne Rodrigues

Com 23 anos, começou a fotografar profissionalmente a um ano, natural de Brasília, formada em História e fazendo mestrado em geografia na UNB e dona do Projeto Mulher e objeto, Aryanne Rodrigues é nossa entrevistada de hoje. \o/ 

Fotojornaliana: Como começou a fotografar?

Aryanne- Comecei a fotografar depois que percebi que gastava algumas boas horas do dia olhando fotos aleatórias em sites como o 500px, Flickr, Tumblr e até mesmo Pinterest. Nessa época da minha vida eu estava numa luta intensa para buscar algo que pudesse ser meu hobyy, porque sempre estudei e trabalhei ao mesmo tempo, nesse período então encontrei a fotografia. Então a princípio era só para ser um hobby, mas como eu disse, meus amigos e familiares começaram a insistir que eu tinha talento para a arte fotográfica, e eu resolvi levar mais a sério depois de tanto apoio.

Fotojornaliana: Um estilo que gosta de fotografar?

Aryanne- Os estilos que mais gosto são ensaio feminino (sem definições que o limitem, busco capturar a essência de cada pessoa) e portrait!

Fotojornaliana: Fale um pouco do seu projeto mulher é objeto?

Aryanne- O Projeto Mulher e Objeto surgiu como um desafio que lancei para mim mesma. Me desafiei a fazer 20 ensaios novos, onde cada ensaio tivesse uma mulher com algum objeto que ela tem identificação. O projeto veio como um estudo sério da prática fotográfica, mas também de composição, direção e edição. A cada dia sinto que estou aprendendo mais, conhecendo novas formas de me expressar, e o melhor de tudo, fazendo amizades incríveis!

Fotojornaliana: Um ensaio que alavancou sua carreira?

Aryanne- Acho que um ensaio que conseguiu capturar o que eu queria em termos de fotografia da Aryanne foi um que fiz em uma estação de trem que está abandonada em partes. Principalmente porque foi neste ensaio que comecei a trabalhar composição, direção e edição de forma mais intensa e com mais esforço.

Fotojornaliana: E teve alguma dificuldade no começo de carreira como fotografa?

Aryanne- Acho que dificuldade é um termo que nem sempre vem acompanhado da palavra "começo", ele perdura, continua, sempre mesmo. As dificuldades são a força e a base para que a gente melhore, não é mesmo? 

Fotojornaliana: Segue carreira como fotografa ou tem outro emprego?

Aryanne- Eu tenho licenciatura em História e faço mestrado na Geografia na universidade federal daqui. Trabalho com cartografia em um centro do exército (e antes que me perguntem, sou civil, não sou militar!). Minha vida é bem atarefada, e é um desafio diário conseguir conciliar o trabalho com cartografia, os estudos e a fotografia. Mas até agora tem dado tudo certo, graças a Deus :)

Fotojornaliana: Quais são suas câmeras? 

Aryanne- Eu sou uma fotógrafa de uma câmera e uma lente só. Atualmente uso uma
Canon 5D Mark 2 e uma lente Canon 35mm f2. Agora em relação às analógicas tenho uma Zenit 12xs e uma Holga 120CFN.

Fotojornaliana: Um (a) fotografo (a) que você se expire? 

Aryanne- Com certeza o Sam Hurd (americano, fotógrafo de casamentos). O Sam Hurd me inspira porque é atual, original e transforma as coisas mais simples em composições beirando a magia.

Fotojornaliana: Uma dica pra galera que esta começando? 

Aryanne-  Minha dica para os que estão começando é o seguinte: Busquem na fotografia descobrir quem vocês são, o que querem expressar e qual é o olhar de vocês sob o mundo. Façam fotografia primeiro para vocês mesmos, e depois para os outros. Sejam honestos com a arte, porque ela pode ser uma fonte de frustração ou de sucesso. Sejam pacientes, os melhores equipamentos vem depois de muito esforço e muito trabalho (tentem fazer o melhor com o que já possuem). Visitem museus, acompanhem sites de fotografia, de artes, leiam literatura e até ciência. Se conectem com o estado da arte da própria arte contemporânea. E sejam humildes, sempre!

Contato

Nenhum comentário:

Postar um comentário